sexta-feira, 15 de abril de 2011

Se eu pudesse escolher um verbo hoje seria acreditar. Assim, conjugado na primeira pessoa do singular: eu acredito. Acredito no sonho. Nas palavras. Na verdade. Acredito em mim. Em você. E neles(que eu nem sei quem são). Eu acredito no desejo. Na interrogação que não questiona. Na rima perdida transformada em vida. Acredito nas pessoas. Na sua pessoa. Na sua nada-perfeita-pessoa. Eu acredito que nem tudo está perdido. Que quase nada sai como a gente espera. Que explicação não existe. Que coincidências acontecem. E que amar não é tudo, mas é um bom começo. Eu acredito na saudade. Na vontade. No beijo. No abraço No silêncio. No olhar. Na noite estrelada. Na manhã nublada. Num amanhã melhor. Acredito na mudança. Na esperança. Na doce-lembrabça. Acredito na estrofe quase perfeita. No que o vento leva. No sentimento que supera a distância. Acredito que é sempre melhor deixar rolar. Que se não está bom, pode melhorar. E que se não estiver ao nosso alcance, a gente é capaz de chegar lá. Acredito-sim!- que o que é nosso sempre fica. Que o que fica nunca vai. E se vai, sempre volta. Acredito que aprendemos quando erramos, mas nem sempre quando erramos aprendemos. Eu acredito no sorriso. No pedido. Na tentativa. Na superação. Acredito no recomeço. Que nunca é tarde. Que nos fazemos de firmes e fortes. Que nada vale viver sem arriscar o verso, mudar o refrão ou se perder nas estrofes de uma canção. E por mais que doa, eu ainda acredito. Sempre. É assim que eu me faço forte e crio coragem pra desafiar a razão: acreditando.

3 comentários:

Martinha disse...

Esse verbo fez hoje tanto sentido para mim, veio a propósito de uma actividade da igreja na qual participei, que teve no centro essa palavra: Acreditar, conjugada no imperativo "Acredita". :)
Lindo texto. :)

A. Tavares disse...

e continua acreditando, eu to ctg!

Caroline ; disse...

Sua linda, amei esse texto, mesmo.