sábado, 9 de outubro de 2010

Você já deveria conhecer meu tom seco e sarcástico e minha insuportável mania de falar a verdade sem me importar com o que os outros vão pensar. Sem me importar se vão continuar gostando de mim mesmo assim.
Eu nunca precisei fingir que sou uma pessoa boa. Nunca precisei fingir que eu não to nem aí quando eu to mais aí do que aqui. Não faz meu tipo. Me esforço às vezes pra ser romântica, pra acreditar nos planos, pra acreditar nas pessoas. Nunca chorei pra convencer. Talvez porque não faça questão de convencer. Ou, como você mesmo diz, sou direta, fria e seca. E nada disso é novidade pra ninguém. É só o meu jeito.
Eu não sou fácil, não me vendo, não aceito migalhas, não gosto de metades. Sou um império do bem e do mal. Sou erótica, sou neurótica. Sou boa, sou má. Sou biscoito de polvilho. Açúcar, sal, mousse de maracujá. Só não sou um brinquedinho. Que alguém joga no canto do quarto quando não quer mais brincar. Sou um pacote. Uma mala. Sou difícil de carregar.

3 comentários:

'Lara Mello disse...

Não te preocupas! Quando eu achar te aviso sim! Bju!

Naty disse...

Essa é a Bárbara!! kkkkkkkkk
Sabia q eu gosto quando tu diz q eu sou irônica ao quadrado,chata,mandona,ignorante e cia? Porque eu sei que tu me ama e só fala a verdade!! Amoo muitoo!!

'Lara Mello disse...

Tb sou assim..Goste de mim quem quiser!