sábado, 30 de abril de 2011

Sobre o que eu penso

Se meu quarto falasse ele poderia te dizer o que eu penso. É lá que passo a maior parte do meus dias. Penso, escrevo, danço, canto, me arrumo, choro, me desarrumo, dou risada, sorrisos, durmo e soluço. É uma extensão só minha. Muitos cadernos, livros, pastas, cartas, fotos, cd´s. Objetos importantes, ojetos sem importância. Um monte de cacarecos que junto. Acumulo coisas, fico com pena de jogar fora. Cada coisinha tem um significado. Gosto de coisas com significados. Mesmo que nada tenha.
Metade das coisas que estão lá eu nem uso e, pra ser bem honesta, não têm a menor serventia. Mas todas possuem valor emocional. Minha vida possui trilha sonora, cinematográfica e literária. Me encontro em livros, músicas, filmes. Me invento em cada coisa que vejo. O prudente seria aprender de forma indolor a praticar o desapego. A vida se torna mais fácil quando valorizamos efetivamente o que importa. Mas e o que importa?
A razão diz que o importante é isso e o coração diz que é aquilo. Aí a gente joga uma moeda pra cima, cara é razão, coroa coração. Pronto. É assim? Minha vida não é jogo, não é sorte, não é simples. Eu me apego, guardo, empilho. Da mesma forma que junto cartas antigas, bilhetes, fotos, recordações eu carrego as pessoas comigo. Quem eu amei não sai de mim. Não me desfaço dos outros como quem decide jogar tudo fora e fazer nova decoração. Sou retrô. Gosto de livro com cheiro a guardado, gosto de foto amarelada pelo tempo, gosto de amigo que conhece o meu olhar, gosto de sentir minhas almofadas da cama me abraçando.
Não sei definir o que serve e o que não serve, pois pra mim tudo é útil. Até mesmo o que já passou da validade. Sentimentos são meus, mesmo que estejam inutilizados. Ninguém vai me tirar, não deixo. Não sou desapegada. Tenho dificuldade em tomar atitudes racionais.
 
 
 
 
                          Se o meu travesseiro falasse ele te diria que sempre que a minha cabeça ali encosta é você que invade a minha mente.

11 comentários:

Bianka disse...

às vezes é bom nosso quarto não falar, mas tem horas que queria que ele dissesse tudo por mim.. sem eu precisar abrir nem se quer uma vez a boca ;]

Jeniffer Yara disse...

Se meu quarto falasse,com certeza me chamaria de louca romântica desvairada! rs'
Lindo texto!
Beijos

нєllєи Cαяoliиє disse...

ainda bem que eles não falam né?rss
Lindas palavras,Querida!
Beijo e um doce domingo pra ti.

Gabriela Freitas disse...

Concordo com a Hellen, ainda bem que que eles não falam né? hihi
Lindo Barbara, encantador!

Martinha disse...

O meu quarto também está cheio dessas muitas coisas que aos olhos dos outros podem parecer inúteis, mas que para mim têm um grande valor emocional. Também não me consigo descartar das coisas que me marcam assim sem mais nem menos. :)

Suzi Lima disse...

O meu quarto é um bagunça...=D Pior que a gente começa a guardar tudo e essas coisas tomam lugar...deixam o quarto bagunçado...>__<

M.Baiana.C disse...

O nosso quarto é como se fosse uma parte de nós, uma extensão do nosso ccorpo. E as lembranças, as fotos, tudo tem seu lugar especial, ali tem fatos históricos de nossas vidas rs, não tem como simplesmente jogar fora como se eles não tivessem importância.

Beijos

Guilherme Fraga disse...

Na minha bagunça organizada[meu quarto] tem todos os objetos q marcaram momentos importantes pra mim, acho q é uma maneira de q eu nunca esqueça o q passou pela minha vida, sempre q eu olhar tais obejetos a recordações voltaram.

Belo texto.

Ana e Dane disse...

Liiiiiiiiiiiiiiindo! *-*

marianapereira disse...

adorei *
também sou um pouco assim, tenho caixas e caixas com cartas, fotografias, pulseiras e tudo mais, tudo me foi dado por pessoas que fizeram parte de mim. Muitas delas já sairam da minha vida, mas mesmo assim gosto de guardar tudo, foram elas que nos ajudaram a ser que somos hoje, não é?

Caroline ; disse...

De novo disse tudo o que penso. Lindo o texto (: