sexta-feira, 4 de março de 2011

Nasce boneca, rostinho de porcelana, corpinho de pano. Da boneca, o pano vai se desgastando, rasgando, a porcelana racha, quebra a cara. Tenta se esconder achando que fuga é proteção, e de repente: Cadê a boneca que tava aqui? Fica sem graça ao perceber que não perde a graça trocando porcelana e pano por carne e osso, e aí já é tarde demais. Virou gente, e então fica tudo mais complexo, as coisas saem de controle. Aí diz uma coisa, repete, diz uma coisa, e nós aqui, vendo outra coisa. Contradição. Confusão. Como cantou Cazuza: Tuas ideias não correspondem aos fatos! E essa confusão grita aos olhos do público. Quem é você? Você sabe? O que você deseja? O que você faria se pudesse escolher, você sabe?

     Pedro Bial

4 comentários:

Andressa Tavares disse...

Se eu pudesse escolher.
Eu seria eu mesma, com todas as minhas feridas, cicatrizes, e conhecimento de Mundo que eu tenho..
Sem isso, eu não seria nada do que eu sou hoje!

Martinha disse...

É essa confusão na personalidade do outro que nos causa confusão também a nós próprios sobre como lidar com esse outro. Nem sempre é fácil!

'Lara Mello disse...

Eu acredito que sei quem eu sou e gosto de onde estou.. Sinto prazer nisso.. Bju!

Herick disse...

eu escolheria continuar com vc pra sempre...
te amo S2