segunda-feira, 18 de outubro de 2010

"Talvez o que mais nos assuste quando o amor vem à tona seja essa habilidade que ele tem para revelar os nossos medos todos. As nossas belezas. As nossas feiuras. As nossas sementes que puderam florescer com viço. As nossas sementes que não conseguiram dizer suas flores. As nossas sementes que temem florir. Talvez o que mais nos assuste quando o amor vem à tona seja essa habilidade que ele tem para revelar as nossas borboletas que souberam se desvencilhar dos casulos. As nossas crisálidas apavoradas por se saber com asas, embora sonhem, encantadas, com o néctar da vida. As nossas feras vorazes e ressentidas. Talvez o que mais nos assuste quando o amor vem à tona seja essa habilidade que ele tem para revelar os nossos avanços. A nossa estagnação. Os nossos fracassos. As nossas vergonhas. As nossas vaidades. A nossa arrogância, que muitas vezes não é outra coisa senão um disfarce que o embaraço usa para esconder o conflito por sentirmos tanto afeto sem saber direito como expressá-lo. Como fazê-lo circular.

- Ana Jácomo.

4 comentários:

'Lara Mello disse...

Obrigada por me seguir..Bju!

Ana Bárbara disse...

Lindo o texto! O amor desvenda tantos mistérios...

Estou seguindo, beijos flor! =)

dear sarah disse...

O novo sempre assusta, e muito.
Mas sentimentos novos traz junto novas descobertas...

sou tarada por me aventurar e cair de cabeça em coisas novas.

Belo texto, lindo blog!

Bárbara Lira disse...

nads lara. :)

___________________-

O amor desvenda tudo.

segueee *-*

______________________

somos duas então sarah.
obrigada, volte sempre.

beijo